Apresentação

Histórico

Desde sua criação, a Universidade Federal de Viçosa (UFV) vem contribuindo efetivamente para o país, oferecendo cursos de graduação de nível superior e Programas de Pós-Graduação em nível de mestrado doutorado.

O Departamento de Química da Universidade Federal de Viçosa (DEQ/UFV) possuía em 1982 35 professores atuando nas áreas de Bioquímica, Físico-Química, Química Analítica, Química Geral e Química Orgânica. Desses, 17 possuíam o título de mestre e somente seis, o título de doutor (D.S. ou Ph.D.). Com este corpo técnico-científico, o DEQ propôs a criação do Programa de Pós-Graduação em Agroquímica, em nível de mestrado, na área de Ciências Agrárias, proposta aprovada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE/UFV) em sua reunião 172/82 realizada em 06 de dezembro de 1982.

O Programa iniciou suas atividades em agosto de 1983, com o parecer favorável da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (CAPES-MEC). O Programa de Pós-Graduação em Agroquímica, em nível de Mestrado, foi credenciado pelo Conselho Federal de Educação (CFE) em 04 de agosto de 1990, tendo sido publicado no Diário Oficial em 22 de fevereiro de 1991. As linhas de pesquisa do Programa de Mestrado em Agroquímica abrangiam as áreas da Química e da Bioquímica aplicadas à Agropecuária. O primeiro Egresso formado pelo Programa foi o Ex-Professor da Universidade Federal de Uberlândia, Manuel Gozalo Hernandez Terrones (falecido em 2013). O Segundo Egresso do Programa foi o Professor Luiz Claudio de Almeida Barbosa, (atualmente Professor Titular do Departamento de Química/UFMG), que contribuiu significativamente para o crescimento e consolidação do Programa, e continua contribuindo como Orientador Permanente do Programa. Desde então o Programa já formou mais de 300 mestres que atuam em diversas instituições de ensino e pesquisa no Brasil e exterior.

Entre sua criação em 1983 e o ano de 2005 diversas alterações ocorreram no quadro de docentes do Departamento de Química, resultaram em modificação drástica no perfil acadêmico e científico dos professores o que levou a uma reestruturação do curso e a proposta de criação do Doutorado.

Em 2005, os docentes do Departamento de Química (DEQ) tinham formação básica nas áreas de Físico-química, Química Analítica, Química Inorgânica e Química Orgânica, e suas pesquisas eram aplicadas às ciências agrárias. Dos 25 docentes do DEQ, 24 possuíam o título de doutor. Esse quadro de pessoal resultou de um intenso programa de qualificação, dentro do contexto de desenvolvimento constantemente promovido pela administração da UFV. A implantação do Programa de Pós-graduação em Agroquímica, em nível de Doutorado, foi uma decorrência natural do investimento feito pela UFV e pelo Departamento de Química nos anos que antecederão a proposta de criação. Nesse período foi dado todo apoio e prioridade na liberação de docentes para realização de treinamento em nível de doutorado. Também, todas as contratações realizadas pela UFV para o Departamento de Química no período foram direcionadas para o fortalecimento das linhas de pesquisa existentes, visando a formação de um quadro de profissionais que pudessem implantar linhas de pesquisas complementares àquelas existentes. Houve também uma ampla expansão do espaço físico para laboratórios de pesquisa, e, seguindo as orientações da Administração da UFV, excepcional empenho dos docentes na busca por recursos para aquisição de vários equipamentos modernos de análises, que tem permitido o desenvolvimento de pesquisas envolvendo química aplicada às ciências agrárias. A forte pesquisa aplicada

A Criação do Curso de Doutorado em Agroquímica foi a concretização de uma das etapas do plano de desenvolvimento da UFV, que tem por objetivo o fortalecimento de suas várias áreas de atuação, particularmente as relacionadas às Ciências Agrárias. Em junho de 2006 o Curso de Doutorado foi recomendado pela Capes e em setembro de foram selecionados 4 candidatos que se matricularam no programa em 9 de outubro de 2006.

Desde a criação Curso de Doutorado houve uma excepcional evolução do Programa em termos do número de alunos matriculados espaço físico e equipamentos. Em 2012 o departamento de química se transferiu para um novo prédio, com laboratórios amplos e bem equipados, como será descrito mais adiante. Em dezembro de 2006 o Programa tinha 33 alunos matriculados no mestrado, e 4 no doutorado, passou para 39 no mestrado e 25 no doutorado e em dezembro de 2013 já contava com 65 no mestrado e 65 no doutorado.

 

A proposta do Programa se fundamenta nos seguintes pilares:

1.  Qualificação e experiência do corpo de orientadores e dos professores do Departamento de Química e dos demais Departamentos da UFV;

2. Formação diversificada do corpo de Orientadores. Orientadores com formação (doutorado e/ou pós-doutorado) nos Estados Unidos, Inglaterra, França, Portugal, Espanha e em diferentes instituições nacionais tais como: UFSC, USP, Unicamp, UFMG, UFSCar e na Própria UFV.

3. Linhas de pesquisa consolidadas: o mestrado foi criado em 1983 e o doutorado em 2006. Nos 30 anos de existência do mestrado as linhas de pesquisa que não com aprovação de projetos em agências de fomento estaduais e federais e empresas privadas (o mestrado iniciou suas atividades em 1983);

4. Laboratórios de pesquisa novos e bem equipados;

5. Equipamentos Multiusuários adquiridos com projetos tais como CT-Infra e Pro-Equipamentos;

6. Colaboração com Pesquisadores de outras instituições do Brasil e Exterior.